Notícias

  • 15/12/2017

    Polo Ginetta realiza a primeira Feira de Consumo Consciente

    Evento no Pernambuco conscientiza pessoas sobre o consumo consciente em relação às coisas do dia a dia para contribuir em um mundo mais sustentável


           Com o objetivo de promover a confraternização de Natal de um modo diferente e considerar o contexto em que o Polo Ginetta está vivenciando nos últimos tempos, aconteceu a I Feira do Consumo Consciente, na praça da Mariápolis Santa Maria*, em Igarassu (27km da capital pernambucana), no dia 02 de dezembro. Cerca de 150 pessoas visitaram a feira que favoreceu a conscientização das pessoas sobre o consumo consciente em relação às coisas do dia a dia como objetos de decoração, comida e acessórios.
           Para a diretora de negócios do Polo Ginetta e gestora da área de projetos da Associação Nacional por uma Economia de Comunhão (Anpecom), Maria Clézia Santana, estão sendo amadurecidas e experimentadas várias iniciativas no Polo com a atualização e avaliação do seu perfil, considerando a história dos seus 15 anos de existência: o indicativo é de um Polo aberto, aglutinador e incubador. Além disso, também foi uma oportunidade de maior aproximação da comunidade da redondeza do Polo e maior conexão com as pessoas que também acreditam e agem para que o mundo seja melhor e mais sustentável. “Os expositores ficaram muito contentes e todos conseguiram vender os seus produtos, assim como novos bens relacionais foram construídos”, destaca Maria Clézia sobre as expectativas.
           Participaram como expositores empresas de artesanato com madeira a partir de gravetos e cipós de árvores, artesanato com madeira de troncos de coqueiros e outras madeiras que são descartadas, Campo Fértil (produção e comercialização de verduras agroecológicas), Cone Delícia (doces sem lactose e glúten), CJS Arquitetura (micropaisagismo, luminárias recicladas, peças inovadoras construídas com cimento), Dalla Strada (bolsas elaboradas com tecidos reciclados produzidas por jovens em situação de vulnerabilidade), desodorante orgânico e acupuntura, garrafas decoradas, projeto “Desalojaram Jesus”, Joaninha Flores, panos de prato, projeto agroecológico da Mariápolis Santa Maria (ovos caipiras e bananas orgânicas), Secretaria de Ação Social de Araçoiaba e Unidas pelo Fuxico (camisetas do projeto Preto no Branco protagonizado por afrodescendentes, bolos veganos e peças com utilização de retalhos).
           Ainda segundo Maria Clézia, realizar essa feira foi uma contribuição para o crescimento da cidade. “Coragem, ousadia, resiliência, capacidade de superar obstáculos e de mobilizar a equipe, engajar pessoas interessantes e estratégicas e realizar uma pequena iniciativa que poderá ter uma repercussão na economia e no desenvolvimento local foram os sentimentos que experimentei nas várias etapas da construção dessa feira, o que vejo como a vocação da Economia de Comunhão e o papel de um polo de negócios”.
          “A cidade de Igarassu que sediou o evento é rica em valor histórico e cultural e queremos contribuir para a disseminação desse ativo mostrando que a construção de um mundo melhor começa com a contribuição de cada um”, conclui Maria Clézia. Com o resultado bastante positivo, a segunda edição já está agendada para março de 2018.


    *Um centro cosmopolita, onde as distinções de religião, cultura e tradição não são anuladas, mas valorizadas como meios de encontro com cada próximo. Homens e mulheres que animam um lugar moderno, composto por lojas, centros de arte, ateliers, pequenas empresas, escolas, igrejas, locais de encontro e lazer.

botão Voltar